quarta-feira, 16 de julho de 2014

Coxinhas X Boys: a última fronteira da luta de classes.

         
                  Foi depois que as elites se revoltaram contra suas próprias regras – que usavam para empulhar e impingir à “pobreza digna” mas que lhes criava certos embaraços pela necessidade de dar o “bom exemplo” –, que adotaram o lema “me deixem torrar meus milhões em paz e não me encham o saco”. Para evitar reclamações, adotaram também o plano neo-buschiano de ataque preventivo expresso no princípio “agrida os pobres antes que eles o façam”. A partir daí, tocar fogo em mendigos ou obras de benemerência social desse quilate passaram a ser normais e usuais nessa singular transvaloração de todos os valores.
                Para que os limites e as tais regras de gentileza e civilidade? Que bobagem esse troço de respeitar crianças babonas, velhinhos decrépitos e pobres fedorentos? E essa presepada de defender ecologia, índios, bichas e outras chatices do tipo? O negócio é curtir adoidado gente bonita e endinheirada e cair na balada da vida. Esse treco de bons modos e frescuras mais é coisa de fracassados. Para que tratar bem fracassados e vir com essas besteiras de solidariedade que uns padrecos e comunistinhas – que já deviam ter sido degolados ou incinerados pelo governo ou pelo robocop  – andam apregoando por aí? Bom mesmo é transformar a estupidez em obra de arte, dar coices uns nos outros e deixar expandir todas as sensações numa overdose tipo dez de adrenalina.
                Daí, surgiu o movimento dos coxinhas, que revoltado contra as regrinhas do bem viver que os idiotas de seus avós haviam criado, resolveram jogar tudo para o alto e passaram a praticar esportes mais adequados às suas índoles: espancamento de pessoas indefesas nas madrugadas das cities, ataques a garçons que demoram a atender, porrada em empregadas preguiçosas. Pra que papai paga salário pra baranga e não quer me dar aquela Ferrari tipo último tipo? Quer negócio é esse do governo gastar dinheiro de meus impostos (eu que nunca os paguei) com esse povaréu imundo? E se eu mesmo não tenho essa gaita, mas sei fingir com sinceridade e convicção?
                Duas regras básica do movimento são a depuração contínua e a cooptação irrestrita. Em relação à primeira, vale sempre trairagem para com os fracos do próprio movimento. Se algum desses babacas for pego ajudando uma velhota a atravessar a rua, dando esmola a um pobre seboso, defendendo um fracote de apanhar ou qualquer uma dessas imbecilidades, deve ser imediatamente tipo detonado, escorraçado do grupo, deve ser pego na covardia pelos kamarada e apanhar feito mendigo de rua:
– Vá lá se juntar com seus amigos comunistinhas de merda, seu otário!!!     
O movimento só tolera os fortes...
Para a segunda regra, vale aceitar qualquer um que tiver grana, venha de onde vier, seja amealhada da forma que for – nem que seja um falso filho de dono de empresa aérea, falsa socialite etc. Esses são até os melhores, porque mostram como se deve conduzir honestamente nessa selva humana. Qualquer um que tiver a garra suficiente, a ousadia necessária, a adrena no pico, deve ser imediatamente agregado ao movimento, mesmo que depois possa ser varrido tão rápido como entrou. Que interessa se o carinha foi pobre? O lance agora é que ele é rico e vestiu o nosso ethos: é contra governo, pobres, bolsa-preguiça, velhotes, fracotes, pixotes e essa gente que só enche nosso saco.
Rompido o solene “pacto de proteção”, em consequência se selou a quebra do “vínculo de obediência”.
Do lado de lá da city, no meio da gentalha feia, os netos da velha e boa “pobreza digna” aprenderam que os avós também eram uns otários de marca maior. Pra que esse treco de estudar, tirar diploma, respeitar leis? Se os coxinhas não tão nem aí, por que nós teremos alguma conduta diferente? Essa coisa de maluco que os pobres terão lugar no reino dos céus e devem ser solidários entre si é coisa de padrecos e comunistinhas. Que se danem!!!. O negócio é curtir adoidado, bater o pancadão e mandar ver na porrada. Tudo pros kamarada e fodam-se os outros.
Entre boys, expostos desde a puerícia aos efeitos da agressão institucionalizada e mercantilizada, o negócio não é mais criar essas leseiras de movimentos sociais, partidos, sindicatos, centros comunitários e os tais mecanismos de luta social. Agora é virar horda e detonar o sistema, muito embora o tal sistema não seja exatamente algo identificável no horizonte de eventos: de preferência, algum idiota que nos atravessar o caminho, esse é o sistema: pode ser um professor, uma enfermeira, sei-lá-quem. Qualquer um que disser que eu tenho algum limite, leva um cacete e vamo que vamo. Não vamo nem derrubar o tal sistema, apenas vamo tomar o lugar de quem ta lá e vamo baixar o pau em que pensar ou fizer diferente. Afinal, boy de hoje pode ser coxinha de amanhã...
Sem saberem bem, coxinhas e boys, envoltos nessa feroz cadeia alimentar, se enfrentam rua a rua, quadra a quadra, bairro a bairro... Nada da tal de ordem pública e essas coisas ridículas, o negócio é cada um curtir o seu e o governo e os outros que se fodam. Na última fronteira da luta de classes não há partidos, não há socialismo, não há regras: há selvageria em estado pleno, com apoio entusiasmado dos mass mídia e agentes de mercado, que encontram nichos valiosos para comerciar qualquer produto de ocasião.  


De seu Gabinete de Altos Estudos Pomeranos, cercado pelo acervo de seus referenciais teóricos, o emérito sociólogo discorreu sobre o inquietante fenômeno (que não é bem um jogador de futebol).





               Chamado para analisar o fenômeno, o mundialmente respeitado sociólogo Emerenciano Virgolino constatou: “trancados em condomínios fechados ou empurrados para as favelas, coxinhas e boys foram se tornando vítimas-algozes do espaço pós-freyriano, no qual inexiste qualquer zona de confraternização, não há equilíbrio de antagonismos, mas o antagonismo em estado puro. Estão uns de frente para os outros, não há regras, não há semelhantes ou respeito, há hedonismo agressivo do tudo aqui e agora, sem limites, afinal, em breve coxinhas e boys ‘vão estar assumindo’ o comando da bagaça – que besteira é essa de sociedade? – e o lance é descer o porrete em quem não é da nossa turma”.
Coxinhas e boys têm idades indefinidas (sejam meninos ou meninas), podem chegar aos 40 e manter a firme infantilidade de adolescentes tardios. É para eles que vai ficando a terra prometida, que haverão de transformar em lugar de paz, concórdia e silêncio depois que liquidarem-se uns aos outros... e a luta continua...

3 comentários:

  1. Foi-se o tempo em que eu gostava de comer coxinhas e queria ser boy! Esperando o retorno de Jedi

    ResponderExcluir
  2. Ângelo,

    Bela análise do momento em questão e das manifestações, estas, antigas e atuais, tomara que a luta construa outros entes para esta terra.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. A boçalidade como modo de vida!
    Bem observado.
    Um dado comum e muito grave, a ação dos coxinhas e dos boys é tomar pra si tudo que puderem, destruir tudo que os impede e foda-se a sociedade.
    Evidentemente eles não chegaram a esta conclusão por conta própria, não tem consciência disso, apenas reagem por instinto o sistema e a natureza fazem o resto.
    “Homem primata, Capitalismo Selvagem”.
    Existe um agravante no caso dos coxinhas, eles tem mantenedores, que podem considerar seu comportamento pouco lucrativo ou incomodo, mas, mesmo assim, protegem e financiam seu comportamento.
    O dinheiro manda.
    É um buraco largo e profundo da sociedade, que ainda causará muito sofrimento.
    Lastimável!

    ResponderExcluir