segunda-feira, 6 de agosto de 2012

O Milagre da Metamorfose Humana

A moça que vira macaco. Grande sensação da festa das Neves, em imagem dos anos 70. Fonte: Willis Leal. Memorial da Festa das Neves.






               - Chegue distinto público, venha ver. É o milagre da metamorfose humana!!! Diana a moça-vampiro, a moça que vira macaco. Há dois mil anos, na China, um sábio profetizou que haveria uma moça que viraria vampiro, que viraria macaco. Diana, a moça-vampiro, a moça que vira macaco!!!
            

             Era mais ou menos assim, ou pelo menos era assim, se a memória não me trai, e tudo aqui depende dela, que um empolgado locutor se esgoelava num alto-falante, em frente a uma espécie de casinha-caixote de madeira e metal bem mambembe, na qual se exibia o portentoso espetáculo da transformação de uma bela jovem em horripilantes monstruosidades. Isso lá pelo final dos anos 70.

            Ainda perseguindo os equívocos fios da memória, me lembro que havia três moças-macaco distintas na Festa das Neves: Diana, a mais “rica” e sofisticada; Samira, a “classe-média”; e Monga, a representante da “bagaceira”. Todas elas repetiam cotidianamente o tal milagre. Sentado em banquinhos ou cadeiras, o distinto público aguardava com sentimentos bastante distintos o espetáculo. Para alguns a mofa, para outros o medo, para todos, a diversão garantida e o direito de boas histórias para contar no dia seguinte.

           A primeira vez na qual presenciei o tal “milagre”, deveria ter uns 7 ou 8 anos e estava com meus dois irmãos mais velhos. Era um desses caixotes na lateral do Palácio do Bispo, próximo da Padaria Flor das Neves. Para uma criançola meio bobinha daqueles idos, era pânico garantido. Com irmãos mais velhos, no seu devido papel de acrescentar detalhes escabrosos, a coisa ficava ainda pior. Confesso, envergonhado, que fugi covardemente frente à “verdade” que se impunha à minha percepção infantil. Era verdade, o medo era uma experiência bem concreta e palpável. O negócio era sebo nas canelas e nunca mais pisar ali.

        No ano seguinte, mais “experiente” e cheio de coragem, estava lá, na primeira fila, desafiando o monstro que insistia em fugir da jaula e não machucar ninguém, apenas em dar um susto em crianças bestinhas ou adultos mais crédulos. No dia seguinte, no Pio X, caprichei na jactância dos meus feitos, especialmente para aqueles colegas que eu sabia que nunca tinham pisado naquele templo de horrores.

        Passaram-se os anos e as festas e eu e alguns colegas voltamos várias vezes. Numa delas, promovemos tal algazarra, que o diretor de cena nos expulsou do espetáculo para garantir o ambiente familiar. Juntamos esse glorioso feito a uma outra expulsão, não sei se do Plaza ou do Municipal, por bagunça generalizada no clássico “Costinha, o homem de seis milhões de cruzeiros”, obra prima de nossa cinematografia.

              Literalmente inenarrável era a luta de titãs entre o diretor e o vampiro, que gritavam ensandecidos:

                – Sangue, eu quero sangue...
                – Não Drácula, não Drácula...
          – Sangue, eu quero sangue... vem cá mocinha [uma moçoila qualquer da platéia embasbacada] me dá teu pescoço que eu quero chupar teu sangue...
                – Não Drácula, não Drácula... Eu vou mostrar a Cruz...
                – A Cruz não Professor, a Cruz não... [com voz em estertores de sofrimento].
                E o vampiro caia em torpor profundo, revertendo à condição da ingênua mocinha.
            
           Mas, a melhor parte era numa das passagens da metamorfose do macaco, acho que a própria Monga, na qual o tal professor, munido de um sofisticado cabo de vassoura, espancava alucinado uma lata, enquanto o gorila esbatia furibundo contra as grades. O professor urrava a plenos pulmões:

                 – Calma Bob, calma Bob...
           
            Em paroxismo, o macacão quebrava a jaula de “aço reforçado”, enquanto o professor o enfrentava corajosamente com o pedaço de pau (talvez munido de um laser estroboscópico ou kriptonita dos anéis de Saturno), remetendo Bob mansamente de volta ao seu recanto, de onde se faria a transformação da forma simiesca à condição humana.
          
          O melhor de tudo é que nosso exigente Professor de Matemática era conhecido como Bob, o que nos garantia um bônus adicional de atazanar o cara com o deslavado cinismo de provocar com um “calma Bob” pelos dias que se seguiam. E já corria aquele movimentado início dos anos 80.   
              
          Depois de uns vinte e tantos anos, numa aula, me veio uma ideia maluca de associar uma discussão teórica sobre realidade e representação à metáfora do jogo de espelhos e luzes da mulher que vira macaco. Confesso que assistir ao espetáculo é um programa bem mais ajuizado e divertido.
            
           No último sábado, após três décadas, voltei a ver o milagre da metamorfose humana. Diana e Samira se aposentaram. Monga continua sempre nova. Meio pós-moderna. Com mais produção e sofisticação, todos em pé, a coisa mais acelerada. Ela cumpre seu ofício com bastante assiduidade em escala quase industrial. Não falha, está lá, o milagre. Continua sendo verdade. A verdade da festividade popular e profana, que marca o aniversário da nossa cidade, ao lado das comemorações religiosas de Nossa Senhora das Neves, que têm convivido às boas ou às turras por uns dois séculos e que foi descrita por um escandalizado missionário protestante que por aqui passou no distante ano de 1839 e sobre o qual escrevemos em outro lugar. Também a verdade do milagre da metamorfose humana, uma vez que nossa espécie possui a sutil e contraditória qualidade de mudar e continuar igual a si própria ao longo do tempo. 
            
         Fala-se que a Festa das Neves não é mais a mesma. É certo, muita coisa mudou, e não apenas na festa. As formas de sociabilidade de nossa cidade não são mais as mesmas. Os tipos de segregação social já não atuam do mesmo jeito. Monga não está lá para nossas pretensas elites, estas estão bem resguardadas em seus guetos, mas continua bravamente lutando pelo pão cotidiano de sua equipe e para a diversão do povo que participa animadamente das festividades profanas que vêm se repetindo ano a ano na nossa cidade e que são marcadas pela permanência e transformação que fazem parte do sempre controverso tempo da história.

* Em homenagem a Seu Jayme, meu pai, que hoje completa 88 anos e que já participou de muitas e muitas Festas das Neves.     

4 comentários:

  1. Estou morrendo de rir aqui! Pior, você aguçou ainda mais a minha curiosidade. Gostaria de ter ido à festa, mas o Léo não se animou e sozinha ficou difícil. Como gostaria de ter conhecido a Monga, aliás, a conheço bem antes de saber da famosa Festa das Neves, justamente nessa aula em que você se arriscou e acertou em cheio. kkkk
    Quando assisti sua aula, estava chegando por aqui e não conhecia quase nada, mas a tal mulher macaco eu carreguei comigo até você aparecer numa determinada lan house e eu dizer: Ah, é o professor que falou de uma tal mulher macaco?

    PS: Adorei o texto! Aproveito para felicitar seu pai e desejar muita saúde a ele.
    Abraços.
    Vânia.

    ResponderExcluir
  2. Caro Amigo
    Adorei a ideia e o texto.
    Um abraço, Damião de Lima

    ResponderExcluir
  3. Professor, sinto- me uma pessoa privilegiada em conviver com você, essa sua sabedoria e a maneira simples de escrever é simplesmente encantador. Parabéns por seu blog e felicidades ao seu pai, desejo ao mesmo muito saúde e muito obrigada por seu carinho e atenção com toda a turma do PIBID. Nunca fui a Festa das Neves, mas depois de tanta curiosidade, vou pensar em passar por lá no ano que vem.
    Abraços, Janaína Baia- PIBID.

    ResponderExcluir
  4. Acabo de descobrir que hoje é dia do historiador, por isso aproveito este espaço para lhe desejar Feliz Dia do Historiador. Parabéns professor! Abraços

    ResponderExcluir